FePeC: “Triunfos” cineclubistas e saudades


João Baptista Pimentel Neto*

Palmas. Nasce a Fepec. Triunfo

Palmas. Nasce a Fepec.
Triunfo

Cineclubista, participei intensamente  do processo de rearticulação do movimento iniciado em 2003. E foram mais de dez anos dedicados a reconstrução do CNC – Conselho Nacional de Cineclubes e ao resgate da relevância do movimento cineclubista brasileiro no processo de fortalecimento do cinema nacional, dos direitos culturais e dos direitos do Público.

Carla Francine, Cyntia Falcão e Pimentel. I Festival de Cinema de Triunfo.

Carla Francine, Cyntia Falcão e Pimentel. I Festival de Cinema de Triunfo.

Foram anos e anos percorrendo todo o país. Fomentando e estimulando a criação de novos cineclubes, articulando o ressurgimento de entidades estaduais e o fortalecimento do CNC, nacional e internacionalmente.

Foram anos bons, estes. E sinto até um certo “orgulho” dos resultados destas minhas andanças. E, quase sempre, uma baita saudades dos amigos e companheiros que encontrei durante a jornada.

Simples assim. Senti orgulho e saudades ao ler a mensagem sobre as comemorações do sexto aniversário da Fepec – Federação Pernambucana de Cineclubes. Depois passei o dia feliz. Feliz e saudoso dos amig@s pernambucanos. De Triunfo e seu Festival. Triunfo e Minha história de amor. Dos inesquecíveis dias vividos em Moreno. De Recife e Porto de Galinhas!

Ao anoitecer a saudades se transformou em palavras e escrevi estas mal traçadas e revirei meu b@ú de imagens e saudades.

Triunfo, Uma História de Amor. Nascida da chicotada que quase senti….Por pessoas que se escondiam por detrás daquelas máscaras…

Ah! Triunfo.

E nem éramos tantos. Todos porém acreditavam e concordavam. Foi tão fácil. Sem dor. Sem disputa. Muitas bandeiras para poucas mãos. E foi assim…

Na Terra de Lampião, cinema, cineclubismo, novos amigos e a Fepec.

Na noite de despedida, quando subimos ao palco  – Gê Carvalho, Fred Cardoso e Eu – estávamos felizes como as crianças que lotavam pequeno teatro nas sessões do Festival. Teatro lotado e o “Guve” Eduardo Campos. Sentadinho ali na fila gargareiro. De repente uma chicotada…Ah, Cara amiga Carla FranCine. Nunca esquecerei…

Cine Guarani TriunfoDepois.Passado o susto.Um microfone. Uma fala. Uma fala cineclubista. E eu sabia muito bem o que tinha ido fazer e tinha feito nas terras de Lampião. E lembrei-me da frase de Glauber…

¨Se entrega Corisco. Eu não me entrego não!”

Era noite de lua cheia. Eu estava muito feliz.

Hoje posso dar vivas aos 6 anos da Fepec e ao Dia do Cineclubismo. E sentir saudades dos amigos…

Alô, Alô mana caetana Carla Fran Cine, GêCarvalho e Cia, beijos Prá Milena, prá Amanda e prá Rutinha, xeros Prá Catinha, prá Aninha e prá Syara. Um Axé manas Cyntia Falcão, Messel, Alice Gouveia, Isabela Cribari, Tarciana Portela. De repente passo por aí a caminho de Noronha. Que como ceis sabem ainda vou conhecer..

Sei que não conseguirei lembrar de todos. Mas do Fred não poderia esquecer. Pro cumpa carioca mando forte abraço, querendo agendar uma cachaça prum dia destes. De repente ele acaba  tal documentário que ele começou…

Vida longa a Fepec e ao cinema pernambucano.

João Baptista Pimentel Neto
cineclubista

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s