China vai investir US$163 mi por ano no apoio a indústria de cinema


chinaO governo chinês vai gastar 1 bilhão de iuanes (163 milhões de dólares) por ano para apoiar a indústria nacional de cinema, incluindo gastos com produções de filmes e a construção de cinemas digitais, informou a imprensa estatal nesta quinta-feira. 

dinheiro servirá para produzir de cinco a dez filmes por ano, e para construir cinemas principalmente nas regiões mais pobres do oeste e do centro do país, afirmou a agência oficial de notícias do governo chinês Xinhua.

“O fundo de desenvolvimento da cultura vai promover especificamente a tecnologia de produção cinematográfica, ajudar a exportar filmes chineses, investir em produções comerciais e produzir websites para filmes”, informou a agência.

A Xinhua não disse por quantos anos o governo vai oferecer o financiamento.

Bancos serão incentivados a emprestar dinheiro para o setor, produtoras serão encorajadas a emitir ações e títulos para o mercado financeiro e companhias seguradoras serão estimuladas a comprar participações em empresas do setor cinematográfico, acrescentou a agência.

As bilheterias chinesas são tradicionalmente dominadas por filmes de Hollywood, mas os filmes chineses ultrapassaram os rivais norte-americanos em 2013, abocanhando mais de 58 por cento das bilheterias, de acordo com a imprensa estatal, o que fez o governo acreditar nos investimentos para impulsionar o talento nacional.

Estúdios dos Estados Unidos já começaram a tomar medidas para atrair o interesse das crescentes bilheterias chinesas, que bateram a casa dos 21,8 bilhões de iuanes no ano passado.

Companhias produtoras como a Paramount Picture, da Viacom, e a DreamWorks Animation SKG já contrataram atores chineses e estabeleceram co-produções com companhias chinesas para fazer incursões no mercado da China.

Mas os draconianos reguladores do cinema chinês tem um pulso firme sobre o mercado, controlando a entrada de filmes estrangeiros para proteger a participação dos filmes domésticos nos cinemas do país.

(Reportagem de Ben Blanchard)

 

Caixa Dois no Cineclube UFGD


Cena do filme Caixa Dois

Cena do filme Caixa Dois

O projeto de extensão Cineclube UFGD exibe neste sábado (14) o filme “Caixa Dois”, comédia brasileira de 2007 dirigida por Bruno Barreto. O filme é baseado na peça teatral homônima, de Juca de Oliveira.

Luís Fernando (Fúlvio Stefanini) é um banqueiro que, por meios escusos, recebeu a quantia R$ 50 milhões em dinheiro. Como o doleiro que geralmente envia dinheiro para a sua conta em Zurique está em coma, Luís Fernando decide usar sua bela secretária Ângela (Giovana Antonelli) como “laranja”.

Acontece, porém, que o funcionário Romeiro (Cássio Gabus Mendes), encarregado de executar o plano e que lucraria R$ 2 milhões com a transação, se engana com o número da conta na hora de fazer o depósito. O dinheiro acaba caindo na conta de Angelina (Zezé Polessa), a humilde esposa de um funcionário honesto do banco, Roberto (Daniel Dantas), que recentemente fora demitido por Luís Fernando. Ao descobrir a situação, Angelina se recusa a fazer o estorno, complicando a vida de todos os envolvidos.

Todas as sessões do Cineclube UFGD são gratuitas e abertas à toda a comunidade. A exibição começa, pontualmente, às 17h, no cineauditório da Unidade 1 da UFGD, localizada na rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso. (Assessoria)

BNDES divulga resutado final do Edital de Cinema 2013


bndesO Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) divulgou o resultado final do Edital de Cinema 2013, que premiará 16 projetos de produção e finalização de longas-metragens de produtoras independentes brasileiras. O total investido será de R$ 14 milhões.

Os projetos foram divididos em cinco grupos: Animação, Ficção Grupo 1 (filmes que busquem resultados econômicos) Ficção Grupo 2 (produções com ênfase no reconhecimento artístico no mercado internacional), Documentário e Finalização.

Vencedores

Na categoria Animação, foram selecionados os projetos “Lino”, apresentado pela Start Desenhos, com direção de Walbercy Ribas, e “Bob Cuspe”, da Coala Filmes, que será dirigido por Anália Tahara.

No Grupo 1 da categoria Ficção, os aprovados foram “Qualquer Gato Vira Lata 2”, de Tomás Portella, apresentado pela Tietê Produções, e “Juízo Final”, da Conspiração, dirigido por Andrucha Waddington.

Quatro projetos receberão, cada um, R$ 1 milhão, na categoria Ficção Grupo 2: “Objetos perdidos ou a historia das duas únicas pessoas do planeta terra”, da Academia de Filmes, dirigido por Luiz Fernando Carvalho; “Piedade”, produzido pela República Pureza Filmes, com direção de Claudio Assis; “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho com produção da Cinemascópio Produções; e “Aos olhos de Ernesto”, de Ana Luiza Azevedo, pela Casa de Cinema de Porto Alegre.

Já na categoria Documentário, foram selecionados os projetos “Há muitas noites na noite”, de Sílvio Tendler, produzido pela Caliban Produções; “Raízes de Aninha”, com produção da Asacine e direção de Márcio Cavalcanti; “9 passos para destruição de Bernadet, da Paleoteve, com direção de Cláudia Priscila; “Pitanga”, de Beto Brant, pela Drama Filmes; “Meu amigo Fela”, de Joel Zito, com produção da Casa de Criação; e “Fluxos – Praieira do mar sem fim”, da B7 Filmes, dirigido por Anny Fernandes.

“Tim Maia”, apresentado pela RT Features, e “Toquei todas as suas coisas”, da Primo Filmes, foram selecionados para o apoio à finalização.

Governo de Pernambuco sanciona nova Lei do Audiovisual


Secretario de Cultura do PELegislação estabelece princípios para o fomento ao setor e cria um conselho consultivo

O Governo de Pernambuco publicou na quinta-feira (05/06) no Diário Oficial a Lei Nº 15.307, de 04 de junho de 2014, que disciplina a promoção, o fomento e o incentivo ao audiovisual no âmbito do Estado de Pernambuco e cria o Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco. A legislação representa mais um avanço na política do audiovisual implantada pelo Governo de Pernambuco desde 2007 a partir do diálogo com a sociedade civil. A lei foi aprovada pela Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) e sancionada pelo governador João Lyra Neto.

“A lei é uma grande conquista do setor do audiovisual de Pernambuco, que mostra como a sociedade pode estar junto com o governo, propondo políticas públicas. Representa também o reconhecimento do governo deste grande potencial que há anos vem sendo desenvolvido no estado. Será um instrumento que irá fortalecer ainda mais a política para o setor nos próximos anos”, diz o secretário de Cultura Marcelo Canuto (foto).

A nova lei foi fruto da reivindicação da classe, que reconheceu os benefícios do edital do Funcultura específico para o setor audiovisual e se preocupou em consolidar o fomento como uma política de estado, que ultrapasse gestões. “Este é um grande passo, porque a lei sedimenta uma política que vem sendo desenvolvida há sete anos, e agora não ficará à mercê de vontades políticas, além de estabelecer princípios para a gestão do setor”, afirma a coordenadora de audiovisual da Secretaria de Cultura, Carla Francine.

A legislação foi construída e proposta por diversos cineastas, cineclubistas e técnicos do audiovisual, com representação de entidades como a Associação Brasileira de Documentaristas e Associação de Produtores e Cineastas de Pernambuco (ABD/APECI), Federação Pernambucana de Cineclubes (Fepec), Associação de Produtores e Cineastas do Norte e Nordeste (APCNN) e as seções de Pernambuco do Sindicato Interestadual dos Trabalhadores na Indústria Cinematográfica e do Audiovisual (STIC – PE) e da Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA -PE). A partir do anseio da sociedade civil, a Secretaria da Casa Civil, a Secretaria de Cultura e a Fundarpe e a abriram um processo de diálogo, possibilitando a formulação do projeto de lei, enviado pelo poder executivo à Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe), onde obteve aprovação, e sem seguida foi sancionada pelo governador João Lyra Neto.

Uma das novidades da lei é a criação do Conselho Consultivo do Audiovisual de Pernambuco, que deverá ser instalado em até 60 dias, com 18 membros efetivos e formato paritário, sendo 9 membros escolhidos pela sociedade civil e 9 designados por ato do Governador do Estado. Já o regimento interno do Conselho deverá ser objeto de decreto em até 180 dias. “Este conselho aumenta a participação da sociedade civil na formulação de políticas públicas para o setor, seja no incentivo por meio de editais ou na difusão feita nos festivais, nas TVs públicas e nos cinemas. A organização da classe audiovisual deve ser um exemplo para outros segmentos artísticos”, avalia o diretor de gestão do Funcultura, Thiago Rocha Leandro.

A coordenadora de audiovisual, Carla Francine, destaca ainda que o conselho agregará outras Secretarias importantes, e lembra um exemplo bem sucedido de parceria que a Secretaria de Cultura fez ano passado com o Delta Zero e a Secretaria de Desenvolvimento Econômico para a realização do 1º Market.Mov, um encontro entre os produtores de conteúdo audiovisual locais com canais, programadoras e representantes de empresas do setor de transmissão ou distribuição desses conteúdos no país. De acordo com Carla, agora quando o 7º Edital do Audiovisual está em fase final de julgamento, dos 25 produtores que fizeram a defesa oral na categoria Produtos para Televisão, pelo menos vinte citaram o encontro como fundamental nas suas articulações para exibições nacionais e internacionais. “Isso mostra como essas parcerias com outras Secretarias são importantes para o desenvolvimento do setor no estado e a propagação da produção”, conclui.

FUNCULTURA

Em dezembro de 2013, o Governo de Pernambuco garantiu um piso mínimo de R$ 33,5 milhões para destinação ao Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura PE), sendo R$ 11,5 milhões para o setor audiovisual, por meio de Emenda Modificativa ao Projeto de Lei nº 1750/2013.

O Funcultura beneficia toda a cadeia produtiva do audiovisual incentivando projetos de diretores consagrados e iniciantes. Além da produção de filmes e produtos para TV, o edital público incentiva a difusão, pesquisa e a formação. Está em curso a seleção do 7º Edital do Programa de Fomento à Produção Audiovisual de Pernambuco – Funcultura Independente 2013/2014. Do total de 370 propostas inscritas, 148 projetos foram selecionados para a última fase da seleção, que corresponde à defesa oral: 6 projetos de Pesquisa, 20 de Formação, 22 de Difusão, 38 de Curta-metragem (sendo 8 na categoria Ary Severo), 25 Produtos para televisão e 37 de Longa-metragem. As propostas das categorias Desenvolvimento de Cineclubismo e Revelando os Pernambucos não são submetidas à fase de defesa oral.


Fonte:

Assessoria de Comunicação*
Secretaria de Cultura de Pernambuco
Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – Fundarpe
(81) 3184.3009 / 3118 / 3116

http://www.fundarpe.pe.gov.br